Romance Sem Nome IV

A Filha do Dragão e o Filho da Floresta
No nordeste do Reinado, imediatamente antes das Montanhas Sanguinárias, havia um reino bastante peculiar. Se Deheon se formara em torno da estátua de Valkaria, Sckharshantallas foi em torno da poderosa figura de Sckhar, o rei dos dragões vermelhos.
Sckhar era um regente amado por seu povo, embora qualquer estrangeiro o visse como um ditador impiedoso e maniático. Embora o governo fosse baseado na figura do rei-dragão, quem de fato governava era um conselho formado por seus filhos. E neste ambiente nasceu Cordélia, filha de Sckhar com uma das humanas de seu harém. Ela poderia entrar no ambiente nocivo em que viviam seus meio-irmãos, mas por saber o quão ardilosos estes eram, a jovem resolve correr o mundo para desenvolver suas habilidades.
Dessa forma Cordélia foi parar em Sambúrdia, onde contratou um ranger para atravessar as florestas da região. O ranger era um tanto introspectivo, falava o mínimo possível. A jovem não se importava com as maneiras do homem, mas sentia falta de alguém para conversar.
Durante alguns dias a dupla viajou por campos abertos. Uma noite, enquanto comiam, o ranger avisou que no dia seguinte iam passar por um grande trecho de floresta e que ela deveria obedecer a ele pois era uma região perigosa. A jovem meio-dragão ficou imaginando que perigos existiam nessa floresta e, em meio a estes pensamentos, adormeceu.
Logo ao amanhecer, o ranger e a jovem adentraram na floresta. O início do caminho transcorreu sem problemas, e Cordélia já percebia o passar das horas quando as árvores já estavam juntas o suficiente para bloquear parcialmente a entrada de luz. Sem aviso o ranger perguntou à Cordélia se ela lutava. Surpresa pela pergunta, ela respondeu afirmativamente. – Então se prepare para a batalha. – disse o homem pegando seu arco e uma flecha da aljava em suas costas. A jovem olhou para os lados e finalmente percebeu que estavam cercados. Nesse instante uma criatura humanóide pulou sobre ela, porém tombou antes de fazer qualquer coisa, atingido por uma flecha. Ao se refazer do susto, Cordélia começou a disparar lampejos de luz nas criaturas.
O homem olhou a jovem combater as criaturas, ligeiramente intrigado, e perguntou se ela era capaz de criar chamas. A feiticeira entende o recado e imediatamente começa a transformar os monstros em massas carbonizadas e disformes. Após o contratempo, a floresta ainda se adensou antes de esparçar e acabar. Quando perguntado sobre o que eram as criaturas, o ranger respondeu apenas – Trolls.
No dia seguinte chegaram à fronteira de Sambúrdia, até onde o combinado dos dois dizia que ficariam juntos, mas por alguma razão o ranger continuou guiando a jovem pelo caminho que ela seguia. Mais tarde, Cordélia perguntou e descobriu que o homem se chamava Giles, Giles Wood.

Bena

Esse post foi publicado em Arton, Benaduce, Literatura, Personagens, Romance sem nome, RPG, Tormenta. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Romance Sem Nome IV

  1. Amondelys disse:

    Muito bom Bena!Continue postando xD

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s